Como aproveitar melhor a esteira

Paulo Vieira

Tag: , , , , , ,

TEM DIAS QUE É MELHOR NEM SAIR DE CASA, como Belo Horizonte e agora São Paulo vem mostrando sobejamente. Sair para correr numa chuva dessa, sem condições.

Mas há gente que é muito fiel a esse maravilhoso hábito que é correr, às vezes por razões quase insondáveis, como, por exemplo, cumprir a planilha.

Em dias que chove gato, cachorro e água também, não há melhor aliado para o corredor do que a esteira.

Treino aquático/Foto Farhad Si/Flickr

 

Então que tal aproveitá-la para aprimorar sua corrida?

Si, se puede. E muito bem. Saiba como:

a) Velocidade/Intensidade. Se você é de certa forma refém do próprio pace, e raramente sai dele, aproveite a esteira para mexer no ritmo. A partir dos 10, 15 minutos de corrida, faça os famigerados tiros, aumentando o pace do equipamento.

E já que você não vai voltar a subir numa esteira tão cedo, faça logo uns 5, 6 tiros. Que tal a 15Km/h? Surpresa! Você vai perceber que pode ir bem mais rápido na esteira do que na vida real.

b) Subida. Se aquelas voltas no Ibirapuera e na Orla são tudo o que você tem para oferecer, experimente colocar um pouco de resistência na máquina. Não exagere para não estragar a relação logo de cara. Uns 5 a 10 minutinhos, caso não seja costume.

c) Minimalismo. Se não tem sobrepeso nem costuma se lesionar com frequência por conta do impacto da corrida, experimente, nem que por poucos minutos, a corrida descalça. Me conta depois.

d) Concentração/Meditação. O teste mais difícil, mas ao mesmo tempo mais compensador. Tente não usar estímulo nenhum. Nada de série, novela, música, rádio, Netflix, stories. Tire prazer apenas da atividade física. Se aprovado aqui, a rua vai ser fichinha.

MAIS ESTEIRA NO JQC

A ESTEIRA SEM MOTOR

CORRER EM ESTEIRA VALE?

DICAS PARA CORRER NA ESTEIRA

A ESTEIRA SEM IMPACTO

/ 980 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 9 (4 em SP, 2 Uphill Rio do Rastro, Rio, UDI e uma na Nova Zelândia), com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.