Clayton e mais uns caras

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , , ,

Voltando de bicicleta da rádio Bandeirantes, onde fui me encontrar com o generosíssimo Ricardo Capriotti anteontem, lembrei-me de uma matéria que escrevi há, er, 30 anos.

Trinta anos, senhoras e senhores. Vinte e oito quiçá, para ser mais condescendente, e, como se isso tivesse alguma importância, exato.

Lembrei dela por ter sido apresentado ao Cláudio Zaidan, que eu só conhecia pela voz – e que voz, cavalheiros. Capriotti, te devo mais essa.

Na matéria de três laudas e pico eu procurava descrever locutores de rádio e de TV de que não conhecíamos o rosto. Acho que era esse o mote do trabalho, se é que ele tinha algum, trabalho que era diletante, possivelmente feita para a saudosa e então valorosa PUC/SP.

Havia o Lombardi, lui-même, simpaticíssimo, e o monumental Sergio Bocca, da rádio Globo, uma voz impressionantemente cheia, que deixava todo mundo no chinelo. Lembro de seus testemunhais do Escort XR-3, grande lançamento automobilístico daquele ano. Boca dizia, gênio:  “Xis de xamego, erre de rala-rala, 3 de três palavrinhas: eu te amo”. Phoda.

Como não havia Google Images à época, uma matéria dessas até se sustentava.

Mas eu sinceramente não lembro por que cheguei até aqui se o que eu queria mesmo era colocar no ar o vídeo abaixo.

Nele entrevisto esse outro parceiraço, o Clayton Conservani, da TV Globo, o pai de família extremo dos domingos Faustão-free da Globo. A matéria foi feita para a revista Sport Life, que acaba de chegar às bancas.

Perdoem os esgares ridículos e os cacoetes faciais deste entrevistador acidental.

 

 

/ 984 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 9 (4 em SP, 2 Uphill Rio do Rastro, Rio, UDI e uma na Nova Zelândia), com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.