Homens e meninos

Paulo Vieira

O PROVÉRBIO MAIS HEDIONDO JÁ DITO pelo maratonista, esse fetichista at large, é aquela besteira que reza que é a mítica distância da maratona, os 42K, que separa, que separam, os “homens dos meninos”.

Além de espetar um toque machista à coisa toda, assumindo o gênero majestático, a frase faz troça dos corredores de outras distâncias e, mais problemático, dos corredores em geral.

MARATONA, O FETICHE

ONDE QUERES GUERREIRO ÉS SÓ FETICHE

MINHA PRIMEIRA MARATONA, VIVACE

MINHA SEGUNDA MARATONA, HAIKU

MINHA TERCEIRA MARATONA, A PRIMEIRA QUEBRA A GENTE NÃO ESQUECE

CORRIDA É PRAZER

MARATONA, A CRETINICE FISIOLÓGICA

O MURO DOS 32K

Acreditar em tal estultice é ter para si que só faz sentido correr se a atividade transcorrer num campo de batalha.

Não, amigos, não é nada disso. Como este pasquim afirma, reafirma e confirma já faz uma cara, corrida é prazer.

É disso, e apenas disso, que se trata.

No pain, no gain é, destarte, c* d* r*

Hossein, o maratonista/Foto: Hamed Saber (Flickr)
Hossein, o maratonista/Foto: Hamed Saber (Flickr)

Posto isto, dou o braço incontinenti e bonito a torcer: há mesmo um componente na maratona que a torna bem mais demandante que as demais distâncias de corrida (esqueça as ultras e o triatlo).

Basicamente, a exigência física da prova estaria acima das nossas possibilidades físicas.

A partir do 30-32-35K surgiria o “muro”, ponto a partir do qual nossas reservas energéticas acabam.

Se não houver mínima reposição – e géis de carboidrato ofertados durante as provas parecem servir para isso – fica-se pelo caminho.

Iberê Dias, o juiz voador, chamou a maratona, prova que ele concluiu repetidas vezes em tempos cavalares, abaixo de 3 horas, de “cretinice fisiológica” – o link vai acima.

*********************************

Por mais que o maratonista concorde com tudo aqui exposto, é difícil convencê-lo a abandonar a distância. Mal colocamos no peito a medalha, já arquitetamos a próxima.

Eu vou para a minha quarta maratona, a segunda em 40 dias, neste domingo, na Cité Maravilhé.

Chegar ao Recreio de ônibus ou de carona é que vão ser elas.

Tudo bem: poucas coisas se equiparam a ouvir (e ver) a incredulidade do interlocutor quando ele faz a doce e maviosa pergunta: “Mas você fez mesmo a full?”

Pensando bem, a maratona separa homens de meninos. Mas são meninos os que gostam mesmo dos 42K.

 

 

Tagged: , , , , , , , , , ,

/ 699 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.