Reajuste de jornalista: a primeira proposta é 0%

Paulo Vieira

MEU SOBRINHO FAZ 17 ANOS NO SÁBADO E, COMO SÓI ACONTECER NESTA linda idade, prepara-se para os vestibulares. Inês já é morta em algumas instituições, como a USP, mas ele não sabe ainda o que pretende cursar.

No vestibular da Unesp decidiu, na undécima hora, ir de publicidade.

“Seria bom fazer um teste vocacional”, disse-me.

Seja como for, uma das carreiras pensadas pelo João Pedro foi jornalismo. No que teve um péssimo conselheiro neste jornalista velha-guarda, para usar expressão a mim endereçada no “live” do Facebook  que fiz na redação da VIAGEM E TURISMO sexta passada.

O Live, sobre uma viagem de barco pelo Solimões, na Amazônia, objeto de reportagem da edição de setembro da revista, está AQUI.

Expliquei ao João Pedro um tanto sobre a redução do número de jornalistas nas redações, das oportunidades na imbricação jornalismo-publicidade, mas não lhe falei das propostas indecentes que o sindicato patronal, ano após ano, fazem para os funcionários quando chega a data-base.

Cubro a lacuna agora, João.

Falo aqui das negociações deste ano em São Paulo.

A proposta dos patrões para o reajuste foi de 0%. Um pouco abaixo da inflação, portanto, de 9,82% (INPC).

Numa conta de padaria dessas que os diretores da Petrobras fazem, isso que significa que o salário de 6 paus, digamos, virará R$ 5 400. Isso em apenas um ano.

A data-base é junho, mas estamos abrindo outubro e, após seis reuniões, os patrões melhoraram a proposta: agora oferecem 3% para quem ganha no máximo R$ 8 mil. Acima disso, niente, parando nos R$ 240.

Waal, diria Paulo Francis.

O Sindjore, sindicato patronal das empresas de jornais e revistas de São Paulo, usou da mesma parcimônia que devota aos funcionários de seus filiados ao responder às indagações do JQC.

Em e-mail de um parágrafo assinado por “Diretoria”, disse: “Em resposta a sua msg (sic), informamos que  as dificuldades do segmento de mídia impressa são de conhecimento público e que, a despeito dessas dificuldades, as negociações com o Sindicato dos Profissionais Jornalistas (sic) continuam em curso.”

Em telefonema ao JQC, Paulo Zocchi, presidente do sindicato dos jornalistas profissionais do estado de São Paulo, disse que essa é a “mais difícil campanha salarial da história” e que “não há precedente de uma proposta, pelos patrões, de reajuste zero”.

“Acho que a ideia deles foi tentar dar um choque no sindicato. E falar o seguinte: ‘Aqui o panorama é totalmente diferente daquele do ano passado’. E qualquer coisa a partir disso teríamos de levantar as mãos para os céus”, diz Zocchi.

NÓS QUE AMÁVAMOS TANTO O JORNALISMO

DANIEL LE ROUGE FALA AO JQC

A SÍNDROME DO CLIENTE

PROTAGONISTA DA PRÓPRIA HISTÓRIA

EXEGETA DA NOVA ERA

CORRENDO COM ABRAMOVIC

O sindicato não é insensível às “dificuldades de conhecimento público”, mas Zocchi lembra que o setor de empresas jornalísticas foi beneficiado com a desoneração da folha salarial no governo Dilma – a tal desoneração tão atacada pelos críticos da Nova Matriz Econômica.

Com a desoneração, as empresas jornalísticas ficaram livres de pagar os 20% de contribuição para a Previdência sobre a folha salarial. Em troca, no fim de 2015, o recolhimento para o governo de 1% sobre o faturamento bruto subiu para 1,5%.

Alguns setores tiveram reajuste maior. A construção civil, por exemplo, teve o imposto aumentado de 2% para 4,5%. O setor de móveis, de 1% para 2,5%.

*******************************

Talvez essa nova proposta patronal, que estabelece o teto de reajuste salarial de R$ 240 e atinge a classe média alta das redações, tenha uma finalidade maior, modelar.

Ou moral, em seu sentido mais estrito.

Ela teria o fito de diminuir a desigualdade social brasileira –  o sacrifício inicial viria dos valorosos jornalistas.

E eu me flagro aqui pensando nos patrões como avida dollars, para usar o famoso anagrama de Picasso, quando podem ser, na verdade, altruístas a pensar no país.

 

Tagged: , , , , , , , , ,

/ 712 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.