Nova York, a grande corrida de domingo

Paulo Vieira

Tag: , , , , ,

FETICHE DO FETICHE DOS FETICHES, correr uma maratona fora do Brasil demanda um pixo que a maioria dos brasileiros – mortadelas e possivelmente mesmo os coxinhas – não tem.

Mesmo assim, esse fetiche é um negócio que vira uma fixação para muita gente, e não apenas em consequência do complexo de vira-latas.

As cidades das major marathons e mesmo algumas que não são essas Fab Six (NYC, Boston, Chicago, Londres, Tóquio, Berlim) param completamente para receber o evento. Isso é algo que dificilmente veremos por aqui.

Já vi um cartaz num metrô em Nova York que dizia que o dia da maratona da cidade é o único do ano em que o homem torna minúsculo (“to dwarf”) os famosos arranha-céus da Gotham City.

Esse dia, em 2017, é o próximo domingo, e devo confessar que deu um comichão.

A largada na Sulacap/Foto: Martineric/Wiki Commons
A largada na Sulacap/Foto: Martineric/Wiki Commons

Ano passado passei um par de dias de outubro num air bnb do Brooklyn e fiz umas corridas cabulosas por lá – links abaixo.

A MEIA DE NYC – I DID IT MY WAY

PERDENDO-SE NO BROOKLYN

MARATONA, O FETICHE

COMO NÃO CORRER A MARA DE NYC, POR GESU BAMBINO

Mas que seria legal um dia participar da mara da Grande Maçã mesmo com o perrengue de viajar 6 da matina na friaca (domingo que vem: mínima de 8 Celsius com ventos de 17km/h segundo o Weather Channel) até Staten Island para a largada, que é como ir a São Mateus ao à Sulacap, isso seria.

Ainda mais depois de ver esses mapas em 3D realistas. O primeiro é oficial, do patrocinador, com marcação em milhas; o segundo do jornalista espanhol Manolo de la Varga.

Saca.

Agora com os picos marcados em quilômetros e com visão muito mais realista do que o mapa anterior. Manda um abraço para o Manolo depois de assistir. No twitter ele é o @mdelavarga

E agora que você entrou no clima, faça a experiência de visualização dos últimos quilômetros no Central Park, cortesia do professor Zeca Fernando, da Ztrack.

Professor Zeca faz uma meditação em subida na chegada dos 42K no Central Park #mizunoruntalks #nycmarathon #jqc #jornalistasquecorrem

Uma publicação compartilhada por Jornalistas que Correm (@corrajornalista) em

/ 828 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 6, com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.