Uma câmera no guidão na Patagônia

Paulo Vieira

PUBLIEDITORIAL

Gui Cavallari é velho conhecido dos amigos deste JQC. Apareceu por aqui algumas vezes, a primeira antes mesmo de ter publicado em livro sua jornada solitária de seis meses numa bicicleta pela Patagônia. Transpatagônia, editado por sua própria casa editorial, a Kalapalo, veio a lume este ano.

Custa R$ 60, está nas boas casas do ramo e também no site da kalapalo.

TRANSPATAGÔNIA, O LIVRO

O esforço de colocar em algumas centenas de páginas sua viagem foi ainda maior do que o de enfrentar o pedal entre Bariloche e Ushuaia e daí de volta a Bariloche na companhia de ventos pouco amigáveis e pumas silenciosos.

CAVALLARI, NOSSO HEROI

Outro produto da odisseia foi o filme Transpatagônia, editado por Cauê Steimberg e premiado em alguns festivais de filmes de aventura, realizado a partir das imagens que Guimas captava com suas duas câmeras de ação, uma delas a Sony Action Cam. Entrevistamos o aventureiro para saber como ele se entendeu com a maquininha durante a viagem.

TRANSPATAGÔNIA, O FILME

Às vezes ele também pedalava
Às vezes ele também pedalava

JQC –  Você já havia usado uma câmera de ação? Qual sua principal vantagem e sua principal desvantagem?

GUI CAVALLARI – Nunca. Eu não sabia nem ligá-la. As principais vantagens são sua robustez e resistência, o fato de ser compacta e à prova d’água. A principal desvantagem é a falta de zoom.

JQC –  Quanto tempo duravam as baterias? Era suficiente para suas pedaladas diárias?

CAVALLARI –  A duração da bateria é sempre um problema. Se ela fosse grande e pesada, duraria mais, mas o equipamento seria mais volumoso e pesado. Com as baterias pequenas que a câmera usa, o tempo de vida é curto, mas isso se resolve com baterias reservas. Eu tinha meia dúzia sempre comigo.

JQC – Você já havia dito que sua grande preocupação em algum momento era sobreviver, descansar, comer, e começou a desencanar de filmar todos os dias. Que trabalho a câmera te dava a ponto de rivalizar com sua própria sobrevivência?

Veja o trailer de Transpatagônia

CAVALLARI – O problema era o espaço mental que ela ocupava. Eu viajava, pedalava ou caminhava pensando “aqui daria uma boa tomada de cena”; “a luz está ótima para filmar”. Quando desencanava de filmar, eu curtia mais a qualidade única de cada momento. Fora isso, havia o trabalho de trocar bateria e cartão de memória na chuva, no vento, no frio. Depois havia o trampo de descarregar e armazenar de forma apropriada (em HD externo) os arquivos de filmes e fotos produzidos. Não era pouco trabalho.

JQC Foi fácil operar a câmera? Precisou de um instrutor no início?

CAVALLARI –  Sim, e eu estive sozinho o tempo todo. Investi um pouco de tempo para entender os botões de controle, saber o mínimo para filmar com desenvoltura e eficiência. Câmeras de ação têm essa característica de ser point and shoot, estão prontas para ser operadas. 

 

Tagged: , , , , , , , ,

/ 658 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

1 Comentário

  1. Diego

    Boas perguntas.
    Assunto bem específico e pode ajudar aqueles aventuram-se por aí com os seus apetrechos tecnológicos.

    Reply

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.