O homem que amava o jornalismo

Paulo Vieira

COM ELE NÃO DAVA PARA SER indiferente. Era goste ou odeie – era mais fácil odiá-lo, acho. Mercurial, parcial, intenso, Paulo Nogueira, que deixou este plano ontem precocemente aos 61 anos, foi o homem com quem eu trabalhei em 30 anos de redação que certamente mais amava o jornalismo.

Amar aqui tem significado amplo. Paulo, qual um cavalo do candomblé, talvez incorporasse, recebesse o jornalismo, se jornalismo fosse uma entidade. Ou também, como uma espécie de sacerdote ou exegeta, Paulo traduzisse o jornalismo, caso este fosse uma religião ou uma língua estranha.

Mesmo em funções diretivas, burocráticas, gerenciais, se metia com intensidade no fazer das revistas que liderou nas editoras Abril e Globo.

Ainda que fosse um dos dez especiais mensais da publicação menos importante sob seu comando.

Relembro uma passagem que me parece modelar. Editava pela Viagem e Turismo com o então diretor de redação de Placar, Sérgio Xavier, hoje Treinador, um especial mezzo turismo mezzo esporte sobre a Copa da Alemanha de 2006. A matéria de abertura, essencialmente sobre futebol, tinha o título A melhor copa de todos os tempos.

Embora avaliasse criteriosamente o desempenho das seleções que chegavam àquela edição do torneio, a reportagem tinha um título que soava muito mais como peça promocional do que algo realmente jornalístico, até mesmo por se servir de pura e suspeitíssima futurologia.

NÓS QUE AMÁVAMOS TANTO O JORNALISMO

Ainda que essa edição especial se tratasse de uma entre centenas de publicações sob o guarda-chuva do Paulo, a última da última da última das prioridades do sujeito naquele dia, ele nos fez ver com eloquência (e altos decibéis) que cometíamos um equívoco.

Depois de ouvirmos sob a Copa de 1970, Pelé & Rivelino (Rivelino era seu ídolo maior, junto com seu pai Emir Nogueira e talvez Lennon & McCartney), SX achou a solução, mantendo o título, mas acrescentando um sinal de interrogação.

No Diário do Centro do Mundo, site que criou com seu irmão Kiko Nogueira, há um obituário assinado pelo Kiko. Linko-o aqui.

 

 

Tagged: , , , , , , , ,

/ 660 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.