No “retorno” às provas de corrida de São Paulo, prova virtual de jornalista acaba mal

Paulo Vieira

Tag: , , , ,

TREINO É TREINO, JOGO É JOGO, diz a sabedoria futebolística nacional. O mesmo costuma valer para a corrida.

Corrida de verdade é aquela com número de peito e medalha, não o rame-rame das duas ou três voltas em torno do parque na manhã de terça-feira.

Bem, pode ser assim também para você, ilustríssimo leitor, mas não para o editor deste pasquim.

Para ele, digo, para mim, corrida começa naquele momento em que deixamos o passo relaxado da caminhada e adentramos ao mítico universo do pace 5, ou algo que o valha.

Se esse sublime movimento se dá na avenida movimentada que passa a 100 metros de casa ou embaixo de um totem de largada da maratona de Berlim, digamos, pouco importa.

Destarte, não tenho sofrido por conta da interrupção das provas de corrida por conta da pandemia.

Sei bem que o Nilson Lima pensa de maneira muito diferente.

**********************************

Em São Paulo, como se sabe, ontem houve um retorno, bastante provisório, ao tempo das corridas. À frente de entidade de organizadores de corrida, Paulo Careli, da Iguana, comandou uma prova-treino para introduzir os novos protocolos pós-Covid.

Aglomeração, mas não entre corredores/Foto: Ana Paula Simões

Máscara, distanciamento possível, largadas em ondas e um número limitado de corredores, como na foto acima.

No vídeo embebido abaixo, a médica e corredora Ana Paula Simões dá uma palhinha de como foi a prova. Muito obrigado pelo envio, Ana.

 

Neste fim de semana, contudo, convidado pela Fila, eu tentava me entender com uma corrida virtual com direito a camisa do patrocinador, número do peito e medalha. A distância ficou ao gosto do cliente, e eu escolhi os 21K da meia mara.

Não foi exatamente do jeito que eu planejava, como você vai ver amanhã.

AS PROVAS VIRTUAIS DA 99RUN

O MINIMALISTA INSUBSTITUÍVEL DA FILA E O NOVO SILVA RACER

 

/ 986 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 9 (4 em SP, 2 Uphill Rio do Rastro, Rio, UDI e uma na Nova Zelândia), com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.