Especial Uphill – o verdadeiro ninja

Paulo Vieira

Tag: , , , , ,

WANDERLEI OLIVEIRA, o WO, antes de ser corredor, educador físico e um dos pioneiros do cascalho no Brasil, é um estatístico. Me repito, mas seu exemplo vale ser sempre repetido.

WO sabe exatamente quanto, onde e como correu – provas ou treinos, indistintamente.

Suponho que seja exceção. Ou eu seja exceção: só consigo lembrar do número de maratonas que corri por ser esse número desprezível – sete –, e por todas elas estarem documentadas nos pixels deste pasquim.

Se me perguntares quantas meias, 10K, 15 milhas ou distâncias similares e nem tanto já corri na vida, falharei imenso consigo. Sei não.

ESPECIAL UPHILL – UPS AND DOWNS

UPHILL 2018: ENTREVISTAS SUADAS

EDU OLIVEIRA, DA MIZUNO, EXPLICA A UPHILL

NINGUÉM VIRA NINJA POR CONCLUIR A UPHILL

DESCONSTRUINDO A MONTANHA

UPHILL 2017: ENTREVISTAS SUADAS

10K POR DIA TODO DIA, A OBSESSÃO DE WANDERLEI OLIVEIRA

DANILO BALU CONTRA A CORRENTE

Tudo isso para dizer que minha última mara – a sétima – a Uphill Rio do Rastro, sábado retrasado, cumprida em 4:46 e algo, 2 minutos a mais do que meu tempo da edição de 2017, foi apenas isso: uma maratona.

Calha de esta mara ter uma altimetria razoavelmente exigente em seu sexto final, o que aumenta sua dificuldade.

Como gostamos de dourar nossas pílulas, aceitamos bovinamente a pecha de “ninja” que os organizadores pespegam a nós, concluintes.

Mais do que aceitar bovinamente: adoramos a pecha.

Como diz o locutor em sua arenga interminável, seria um feito para pouquíssimos, quiçá para ungidos, não basta querer estar lá, blablablá yadayada blablablá.

********************

Pois gostaria de apresentar um contraponto, o canadense Terry Fox, personagem que contrabandeio da seleta de notícias que o Danilo Balu brinda por e-mail alguns aí.

Gracias, Balu.

Vejam se esse rapaz, que com 22 anos cruzou o Canadá quase de costa a costa, correndo com uma prótese no lugar de uma das pernas, merece ser chamado de ninja.

Foram 143 maratonas, cerca de 6 000 K em 143 dias consecutivos. Não conseguiu chegar à costa do Pacífico.

A ideia era chamar atenção para o câncer que havia dragado sua perna e logo sua vida. Ele não se conformava em ver meninos de 10 anos sofrerem do mal.

O Toronto Star acompanhou a jornada naquele longínquo 1980, caso você queira se aprofundar nas artes ninjas.

Foto da home: Cristiano Andujar/Divulgação

 

/ 983 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 9 (4 em SP, 2 Uphill Rio do Rastro, Rio, UDI e uma na Nova Zelândia), com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.