Bike: 9 minutos mais rápida que carro por dia (e R$ 451 mais barata no fim do mês)

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , ,

O EL PAIS PUBLICOU, O MEIO ECOOU e este pasquim foi com seu retardo habitual atrás da história, que é boa e endossa nossa visão pró-magrela no transporte público, no transporte individual, no transporte de lazer.

Como você vai ver, bicicleta pode jogar nas onze mesmo em cidades cheias de pirambas como Essepê.

A história é a seguinte. Com patrocínio do Itaú-Unibanco, o Cebrap empreendeu uma pesquisa entre setembro e outubro de 2017 com 1100 moradores da cidade de São Paulo. Parte desses moradores é de ciclistas, que serviram como grupo de controle.

Segundo a própria pesquisa, cuja íntegra está aqui, ciclistas são “pessoas que realizaram viagem com bicicleta para deslocamento no último dia útil anterior à entrevista.”

Eis um fragmento do que se descobriu.

Se o paulistano que usa ônibus para deslocamentos de até 8K preterisse esse “modal” pela bicicleta, ele economizaria R$ 138 por mês, em média. Caso nosso amigo seja adicto do automóvel, trocá-lo pela bike significaria uma economia mensal média de R$ 451.

Do ponto de vista da redução da emissão de CO2, o poluente que ainda não demos conta que está nos matando lentamente, os resultados são os seguintes, sempre tendo em mente o deslocamento de até 8K: 31% das viagens de ônibus poderiam ser pedaladas, levando a uma diminuição de 8% do CO2 emitido por este meio de transporte.

No caso do carro, até 43% dessas viagens poderiam ser realizadas de bicicleta, gerando um potencial de economia de 10% das emissões de C02.

Se a tigrada que pega ônibus fosse somada a dos carros e os dois grupos preferissem a bicicleta, a redução de CO2 chegaria a 18%.

A questão é de saúde pública e há gigantescas razões aqui para se estimular o uso da bike e taxar o carro, além de se buscar um combustível mais limpo para os ônibus. Mas enquanto isso não acontece (zzzzzz), vamos a outro indicador interessante, o que a pesquisa chamou de “prazer em transitar pela cidade”.

PRAZER EM TRANSITAR PELA CIDADE
Primeiro a população paulistana em geral:

Raramente ou nunca: 40%

Às vezes: 42%

Sempre ou quase sempre: 18%

Agora, os ciclistas:

Raramente ou nunca: 18%

Às vezes: 37%

Sempre ou quase sempre: 45%

Finalmente, mais um indicador entre tantos outros que a pesquisa – entra lá! – traz.

Economia de tempo no uso da bicicleta.

Trocando o ônibus pela bike (viagens, lembrando sempre, de até 8K)

19 minutos por pessoa, por dia

Trocando o carro pela bike

9 minutos por pessoa, por dia.

QUANTO MAIS CICLORROTA, PIOR?

O RETROCESSO DA POLÍTICA CICLOVIÁRIA DE SP

QUEM PEDALA É MAIS FELIZ, DIZ PESQUISA

A BIKE COMO TERAPIA

PAULO SALDIVA: A CIDADE ESTÁ OBESA

O TESTE DO NOVO SISTEMA DE COMPARTILHAMENTO DE BIKES DE SP

LARANJA X VERMELHA: TESTAMOS OS SISTEMAS DE BIKE COMPARTILHADA

TEU CARRO: TRÊS CIGARROS POR DIA PARA OS NOSSOS PULMÕES

A CORRIDA DO PIKO, A MAIS PROUSTIANA DAS MINHAS CORRIDAS

Há cálculos de ganho de produtividade, economias para o erário municipal etc, mas acho que este post já ofereceu dados suficientemente eloquentes.

E você, o que está esperando para colocar o pedal na sua rotina?

 

 

 

/ 827 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 6, com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.