Corre muito e fica resfriado? Já ouviu falar de glutamina?

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , , , , ,

SOU UM HOMEM DE RALAS CONVICÇÕES e espessas teimosias, e meu eu corredor não é muito diferente de minhas outras personalidades.

Avesso a medicamentos de modo geral, nada uso, destarte, para amenizar as dores musculares – até porque eis aí um sofrimento de que não padeço.

Tampouco faço fé em suplementos alimentares para equilibrar as perdas energéticas oriundas dos cascalhos sucessivos e agora das 3 horas semanais nos quatro estilos pelas magnífica piscina olímpica do Cepeusp.

Mas esse sou eu, e, como já disse aqui, não faça o que eu digo, não faça o que eu faço.

Felizmente, há gente mais ponderada a colaborar com este pasquim.

Como a Livia Hasegawa, nutri oficial do JQC.

Ela fala aqui novamente de um de seus aminoácidos de eleição, a glutamina.

Como se sabe, ou, pelo contrário, não se sabe, a redução dos níveis desse aminoácido, consequência da realização de exercícios aeróbicos intensos, pode acarretar perda de massa muscular e enfraquecimento do sistema imunológico.

Caso falte energia para o corpo, ele vai buscá-la na fonte de aminoácidos dos músculos.

Há contraindicações para quem tem problemas hepáticos e/ou renais.

Sua vez, doutora.

******************************************

A GLUTAMINA É UM AMINOÁCIDO CLASSIFICADO como não essencial, ou seja, nosso corpo é capaz de produzir a glutamina.

Apesar disso, para as pessoas que treinam, a glutamina á bastante utilizada para a parte muscular e imunidade. Devem consumi-la atletas profissionais e amadores com treinos intensos ou que apresentam imunidade mais baixa.

SUPLEMENTO PARA QUEM NÃO GOSTA DE SUPLEMENTO

Uma das suas principais funções é atuar no intestino, servindo de “alimento” para as células da parede intestinal, melhorando o que chamamos de permeabilidade intestinal.

Assim, a glutamina é capaz de melhorar a integridade desta parede, fazendo com que tenhamos melhor absorção de nutrientes.

A glutamina também serve como um combustível para nosso sistema imunológico, deixando-o mais forte.

Esse aminoácido também ajuda na recuperação muscular.

Deve-se tomar de 5 a 20g por dia em média, mas a prescrição deve ser feita com muita acurácia, por um profissional.

MAIS LIVIA HASEGAWA NO JQC

Há no mercado diversas opções, mas prefira o aminoácido puro, sem combinações ou misturas.

Livia Hasegawa – Nutricionista esportiva e funcional formada pela USP
nutricaoesportivaeclinica.com

/ 791 Posts

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).