Distância ou velocidade, qual a sua?

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , , , , ,

É UMA FALSA QUESTÃO, que fique bem claro. Corrida é uma coisa só, não importa se você colhe seus benefícios – e.g.: prazer – da pancadaria ou da serenidade.

Mas o corpo, e isso é fato, se acostuma com um determinado ritmo de corrida – chamamos de “pace” em português entreguista – e sair desse ritmo é que são elas.

Há uma palavra técnica para definir essa tendência do corpo em retomar um padrão já conhecido, e, portanto, mais confortável: homeostase.

Treinos de variação de ritmo ajudam na quebra da tal homeostase e, assim, em aumento de condicionamento.

Em entrevista a este pasquim, o preparador físico Danilo Balu explicou: “A quebra da homeostase é essencial. Sem ela a atividade física perde muito em qualidade. Sendo mais prático: você não pode sugerir que alguém pratique ad eternum o mesmo estímulo.”

CORRIDA É PRAZER

DANILO BALU E OS MITOS DA CORRIDA

MITOS E DESMINTOS DA MARATONA

LONGÃO, A HISTÓRIA POR TRÁS

É PRECISO DAR LOGO UNS TIROS

CORRENDO RÁPIDO COM OS MAIS RÁPIDOS

TESTE DE COOPER: AINDA ATUAL?

Não é por outra razão que o cânone do treinamento propugna (propugna? não tinha um sinônimo melhor?) práticas distintas ao longo da semana – tiros na terça, subidas na quinta, longos no sábado etc.

Tudo isso me vem à cabeça em função de um teste de 12 minutos – o famoso teste de Cooper – que realizei sexta passada na venerável pista de atletismo do Cepeusp, que há não muito tempo ganhou um piso novinho.

Not yet
Not yet

Como supunha estar correto em acreditar que o esforço de 12 minutos é muito menor do que o de 3h34, meu melhor tempo de maratona, achei que poderia deixar tudo na pista desde o início.

Mas as coisas não são tão simples.

Corri muitas outras vezes naquela pista olímpica e já sabia da dificuldade de baixar aquela volta de 400 metros de meus tradicionais 1’35”, 1’40”.

E assim foi. Nos 12 minutos cravados da corrida completei sete voltas e uma curva, 2 900 metros.

Pace de 4:08.

Precisaria ter corrido mais 100 metros para cravar pace 4. Perto de completar 51 anos, me pergunto: será um dia possível chegar nele?

 

/ 817 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 6, com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.