Corredor: cabeça dura e bunda mole

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , , , , ,

POUCOS SUJEITOS SÃO TÃO CABEÇAS DURAS quanto o corredor. Quanto mais corre, mais considera esbanjar saúde. Destarte, raramente faz outra atividade física. Fortalecer grupos musculares que não estão – ou ele acredita não estar – diretamente ligados à dinâmica da corrida, nem pensar.

Além de cabeça dura, o sujeito com isso se torna um bunda mole – às vezes com hífen. Numa “clínica de corrida”, um encontro muito interessante de especialistas sábado passado organizado pelo Ultra Carlos Dias, o treinador Carlos Mello fez uma blague sobre isso.

“Para correr bem e não correr risco de sofrer lesões o sujeito não pode ser bunda-mole”, brincou, antes de sugerir um exercício para o fortalecimento dos glúteos, de que falaremos ao final desta coluna.

Mello não precisou argumentar que o desenvolvimento desse grupo muscular está diretamente relacionado com a evolução da espécie humana, com o fato de termos conseguido sair da postura curvada e virarmos bípedes.

O NOVO TREINAMENTO FUNCIONAL

BURPEE PARA AS MASSAS

UM CIRCUITO FUNCIONAL PARA COMEÇAR A SEMANA

UMA ESTEIRA SEM MOTOR

Quando o corredor decide fortalecer o “core”, normalmente pensa apenas no abdome – e dá-lhe abdominais. Mas para não sofrer com a dor lombar e não sobrecarregar a panturrilha, especialmente para quem faz longas distâncias, é fundamental fortalecer os glúteos (são dois: o máximo e o mínimo).

******************

Sem mais delongas, ao exercício:

De costas, sobre quatro apoios – cotovelos e joelhos – faça uma elevação de quadril. Em seguida, estique a perna direita, emulando o movimento de um cachorro fazendo xixi – a imagem é do Mello. Após uma sequência de até 12 repetições, alterne a perna, esticando agora a esquerda.

 

 

/ 819 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 6, com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.