Janaína Lepri, da TV Globo, e sua estreia na mara de Chicago

Paulo Vieira

A PRIMEIRA MARATONA a gente nunca esquece, e Janaína Lepri, repórter da TV Globo de São Paulo, não tem razão alguma para esquecer qualquer minuto de sua estreia nos 42K, em Chicago, no último 8 de outubro.

Embora quisesse ter feito um tempo melhor que seus 4:35:18, ela conseguiu, como ensina o ficcionista japonês Haruki Murakami em seu livro Do que eu falo quando eu falo de corrida, não andar em momento algum da prova.

DO QUE EU FALO QUANDO EU NÃO FALO COM MURAKAMI

A GRANDE REPORTAGEM DE GUILHERME ROSEGUINI

CAMARADAGEM BRILHA NO REVEZAMENTO PÃO DE AÇÚCAR

CARLOS TRAMONTINA: SERENO NA TELINHA E NO CASCALHO

O GRANDE INVESTIMENTO DE MARA LUQUET

Mas esse não foi seu principal feito. Ao completar a mítica distância, ela deixou definitivamente para trás um quadro de depressão que a tirou por quase 1 ano e meio da TV em 2010.

Seu terapeuta, também triatleta, incentivou-a a seguir correndo – algo que ela fazia havia cerca de três anos, desde os tempos em que trabalhava na rádio Bandeirantes. 

Jana does Chicago/Foto Arquivo Pessoal
Jana does Chicago/Arquivo Pessoal

Voltemos ao começo, então. Janaína sempre nadou, mas o fato de a Band decidir montar uma equipe para correr um revezamento Pão de Açúcar, prova que a emissora cobria com especial interesse, a levou ao cascalho. 

Por nadar, achava que tiraria de letra. “No primeiro treino, corri 1,5K e quase morri”, contou por telefone ao JQC.

De lá para cá ela foi acertando seu ritmo. Vieram as provas de 5K, 10K (recorde pessoal: 58′) e as meias (recorde pessoal: 2:03). Ano passado, depois de concluir uma meia, ela decidiu “sem querer muito” tentar o sorteio para Chicago.

Deu bom, e aí ela, que jeito, se sentiu obrigada a correr a maratona.

Para tanto, ao mesmo tempo que seguia o cânone – ciclo de quatro meses, um longão de 32K etc. – com a Run & Fun, fez uma abordagem inovadora na academia Competition.

Era um método de performance que se utilizava de treinos de intensidade e força com o fito de fatigar a musculatura da repórter e ajudá-la a se prevenir de lesões.

RITMO É REI

CESINHA CANDIDO, O NOVO MARATONISTA

O PROFESSOR DA METODISTA JÚLIO VERÍSSIMO E AS CRISES DO JORNALISMO E DO PALMEIRAS

Chicago é uma prova plana e rápida, além de ser uma das seis “majors”, algo que ela tinha vontade de fazer uma vez na vida. O que ela não esperava é que a Windy City a recebesse com um clima equatorial – segundo a repórter, perto dos 30 Celsius ao fim da mara.

“Tinha meta de fazer a prova em 4:20, 4:30, e na passagem da meia tava tudo certinho. Mas no 35K, quando já não tinha nenhuma sombra, fiquei frustradíssima [com o tempo]. Mas meu treinador disse que todo mundo tava passando ‘alto’ e que não era para eu me preocupar com o relógio.”

Uma entre os mais de 900 brazucas da prova/Arquivo Pessoal
Uma dos 900 brazucas da prova
A PRÓXIMA MARA

Como acontece com dez entre dez novos maratonistas, Janaína já pensa na próxima mara. “Talvez Nova York, mas acho que a inscrição [de 15 de janeiro a 15 de fevereiro] vai ser muito concorrida”.

Seja como for, ela não pretende cometer “erros de principiante”, como ter ido ao banheiro apenas uma vez, muito antes da largada. “Tive de parar, e perdi uns cinco minutos que não consegui recuperar”.

É difícil imaginar que uma repórter de TV, com agenda pesada, tenha condições de treinar com disciplina. E ela, de fato, teve de sacrificar horas de sono para fazê-lo.

“Na Globo a gente só fica sabendo como vai ser o dia seguinte na noite anterior. Cheguei a ir dormir às 2 da manhã e acordar às 5h30 para treinar. Tinha um milhão de desculpas para não ir, mas ia. Sobrecarreguei um pouco.”

JORNALISTA NO AR

Janaína é filha de pai jornalista, mas ele não teve qualquer influência na decisão de sua carreira. Ela conta sempre ter desejado ser médica, mas algo a fez mudar de ideia a dias do vestibular.

Acabou entrando na universidade Metodista, que, segundo ela, era “bem cotada no ranking da Playboy” – o editor deste pasquim nos anos 1990, que isto fique entre nós, ajudou a produzir um ou dois deles.

Mas as dúvidas profissionais a acompanharam até o terceiro ano de faculdade, quando ela chegou a pensar em largá-la. O convite para cobrir férias de um jornalista na rádio Eldorado teve, contudo, o condão de mudar tudo.

Na SP City, fazendo seu longão para Chicago
Na SP City, fazendo seu longão para Chicago/Instagram

A cobertura de um rompimento de uma adutora e a consequente formação de um enorme buraco na rua – o arquétipo do arquétipo do trabalho do repórter de geral – a cativou definitivamente para o nosso combalido ofício.

Hoje, como os demais repórteres de sua divisão, ela faz de tudo na Globo –  economia, cultura, geral –, menos esportes.

Tem, é verdade, andado menos de helicóptero, uma das razões que a levaram a ser contratada pela Vênus Platinada.

“Na época não eram muitos os repórteres que se davam bem em helicóptero, muitos enjoavam, e eu estava acostumada a fazer isso na rádio Bandeirantes e no [finado] canal de TV 21.”

Tagged: , , , , , , , , , , ,

/ 727 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.