O desafio 28 praias de Ubatuba – Entrevistas suadas

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , , , ,

PARA QUEM PREZA tempo & performance e vê a corrida de maneira competitiva, as provas de trail run são gincanas que se assemelham a reality shows na selva.

E tinha um rio em Itamambuca/Foto: Hernán Reig
E tinha um rio em Itamambuca/Foto: Hernán Reig

Não faltaram lama, areia fofa, água e pirambeiras (algumas com cordas para auxiliar na subida e na descida) na minha estreia no “trail run” anteontem. Foi em Ubatuba, no Desafio 28 praias, prova que vem se tornando tradicional no litoral paulista.

Corri uma humilde meia maratona “para” algo como 2:40, um tempo que na rua seria considerado de trote.

A chuva que castigou a cidade na madrugada complicou as coisas para diversos competidores, especialmente aqueles que tinham tênis inadequados nos pés – minha insistência num minimalista sem “grip” me obrigou a correr com ele nas mãos em pelos menos um quarto da prova.

A aderência era de Croc careca.

Largada do 21K em Itamambuca/Foto: Hernán Reig
Largada do 21K em Itamambuca/Foto: Hernán Reig

Mas falei demais de mim. Como se diz nas escolas de datilografia (!), “serve esta” para apresentar a primeira parte das Entrevistas Suadas.

A Fabiana Gomes, de São Paulo, que começou a correr para sair da “rotina materna”, estreava em provas de trilha no 21K. Em um ano já quer dobrar a aposta – e completar a maratona.

O que pelo jeito vai mesmo acontecer: sábado ela ficou em terceiro lugar no 21K.

Não bastasse a performance, as pirambeiras, a lama e de todos os demais perrengues da prova, ela parecia que tinha acabado de sair do coiffure.

Ela deve tirar mesmo isso de letra, pois em seu blog Eu sou uma mãe que corre ensina mães, futuras mães, mães que já fecharam a lojinha e quem mais aparecer a ter uma vida saudável com ou sem endorfina.

(Mas a julgar por sua simpatia ao fim da prova, a endorfina atua fortemente nela)

O Rodrigo Dutra, de São Paulo, que competiu no 21K, está trocando as provas de rua pelas trilhas. Se você reparar bem na locação em que ele concedeu esta “Suada” ao editor do JQC, possivelmente entenderá o porquê.

O engenheiro tornado corredor Nivaldo de Freitas, de Guarulhos, segundo lugar em sua categoria, fechou os 21K em 2:15:23. Quando eu consigo enquadrar sua cabeça – o cabra é alto! – ele explica melhor seu treinamento e conta de um “capote” tomado lá pelos 8K do Desafio 28 Praias.

A Veronica Ostermeyer Gonçalves, de 45 anos, que correu “para” 2:51:48, ainda tinha um bom pedaço de prova quando foi alcançada pelo repórter deste pasquim na praia do Cruzeiro – eu quase ia colocando um “do Sul”, mas é apenas Cruzeiro, de cruz. Eu imaginava que o barulho do mar impossibilitaria a gravação, mas esta câmera 4K que os amigos da Sony me presentearam é mesmo porreta.

MAIS ENTREVISTAS SUADAS
UPHILL RIO DO RASTRO
SP CITY MARATHON
MARA DO RIO

/ 828 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 6, com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

2 Comentários

  1. Fabiana Gomes

    Foi pesada a prova, mas o desafio está aí em fazer diferente e conquistar uma rotina diferente da comum.

    Responder

  2. Rodrigo Dutra

    Realmente dei uma entrevista “Suada”.. kkk…valeu !!!

    Responder

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.