Especial Uphill – completar a mara do Rio do Rastro não faz ninguém melhor ou pior (nem ninja)

Paulo Vieira

TENHO TENTADO OBSESSIVAMENTE trazer para o rés-do-chão o fato de ter concluído a mara da serra do Rio do Rastro. Anteontem afirmei, ontem reafirmei, mas parece não ter adiantado.

Meu ponto: o fato de andar por alguns quilômetros ao final da maratona reduz o esforço do competidor, que é menor, parece-me, do que concluir uma mara plana no pau.

Penei mais no Rio em junho – mesmo andando por algumas seções do Leblon e de Copacabana – do que na boca de Bom Jardim da Serra.

ESPECIAL UPHILL: A CAMARADAGEM DEU O TOM

ESPECIAL UPHILL: DESCONSTRUINDO A MONTANHA

ESPECIAL UPHILL: ENTREVISTAS SUADAS/NILSON PAULO DE LIMA

ESPECIAL UPHILL: ENTREVISTAS SUADAS

A MARA DO RIO: DURA LEX, SED LEX

CORRENDO COM ABRAMOVIC

ESTRATÉGIA MENTAL PARA AGUENTAR O TRANCO

Mas mesmo que eu coloque um  hashtag #ninjanada, o pessoal desconsidera. Sob a foto e o comentário que você vê abaixo, a simpática Kenia Marangao disse o seguinte no instagram @corrajornalista:

“Qualquer um que consegue completar a prova é ninja! Pode chegar até engatinhando.”

Uma frase de uma corredora com nome Kenia tem de ser levada em consideração.

Chegada aos 4:44 do sei lá qual tempo. E isso é postura de ninja? #uphill2017 #jqc #jornalistasquecorrem #vamosubilusa Entenda em jornalistasquecorrem.com.br

Uma publicação compartilhada por Jornalistas que Correm (@corrajornalista) em

A estratégia da Mizuno mui inteligentemente é associar essa prova com um grande desafio de resistência e persistência – persistência, aliás, é a principal qualidade do homem e da mulher segundo Ray Kroc (google nele!).

Daí o abuso de frases francamente engana-que-eu-gosto como “Só os fortes passam aqui”, “Não é qualquer um que chega aqui” e o tenebroso “Aqui se fabrica (sic) lendas.”

Desculpem-me, mas eu não fiquei 0,01% melhor, ou ao menos diferente, por ter completado a Uphill.

Abrindo tudo/Disclosure: o editor deste pasquim teve a inscrição para a Uphill e o traslado no ônibus do pórtico de chegada a Treviso, local da largada dos 42K, bancados pela Mizuno

Crédito da foto: Mizuno Uphill

Tagged: , , , , , ,

/ 680 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

2 Comentários

  1. antonio bellas

    Vc é uma lenda, maragato!

    Reply

    • Paulo Vieira

      Fui fabricado sábado passado nos contrafortes da república Juliana, Bellas, mas acho que tou mais pra chimango! Você que é o cara.

      Reply

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.