As lições do Serginho do Vôlei

Paulo Vieira

SÉRGIO DUTRA SANTOS, o Serginho do Vôlei, disputou pela seleção brasileira quatro olimpíadas. Ganhou duas medalhas de ouro e duas de prata. Tem ainda 11 ouros nos outros três torneios mais importantes do esporte, a Copa, a Liga e o Campeonato Mundial.

É coisa pra c*.

Não sei quem no futebol teria feito equivalente. O nível, guardadas as diferenças das modalidades, parece-me digno de Beckenbauer, de Zagallo.

Aos 41 anos, não sabe ainda quando vai parar. Poderia tranquilamente curtir a aposentadoria, mas, como disse ao JQC, “atleta não tem prazo de vencimento”.

Serginho é um vitorioso sob todos os pontos de vista, não só no esporte. Começou a trabalhar com 7 anos, vendendo gelo em Pirituba – acredito que no “Piritubão”, o famoso campo do centro esportivo das esquinas da Agenor com a Mutinga, passagem obrigatória das minhas corridas do Piko.

Depois tornou-se office-boy, como conta este excelente perfil do Globo Esporte, sempre mantendo o sonho de jogar vôlei, esporte aprendido na escola estadual em que estudou, a Otto de Barros, numa travessa da Estrada Turística do Jaraguá.

Com o segundo ouro olímpico/Foto: Danilo Borges/Brasil2016.gov.br
Com o segundo ouro olímpico/Foto: Danilo Borges/Brasil2016.gov.br

Ele falou ao JQC no evento de lançamento do novo smartphone da Samsung, empresa que o patrocina.

A APOSENTADORIA

“Sou um contemplado, tive poucas lesões em minha carreira. Vou jogar até quando eu estiver me sentindo bem. Atleta não tem prazo de vencimento, a motivação sim, no dia em que ela acabar aí é hora de parar e seguir outra estrada.”

A LONGEVIDADE

“Minha posição [de líbero] ajuda bastante a que eu, com 41 anos, possa jogar em alto nível. Para um atacante não daria. Mas foram anos de dedicação, de treinamento e de muito descanso também. Eu treino duas vezes por dia, sei a hora certa de descansar, de sair, de me divertir.”

A CORRUPÇÃO NO VÔLEI E SEUS REFLEXOS NA QUADRA

“Lógico que a gente quer pessoas honestas à frente do vôlei, assim como quer à frente do país, mas o vôlei é um esporte de confirmação, se treinar mal vou jogar mal. Esses problemas não influenciam em nada [na quadra].”

A CORRIDA DE RUA

“A corrida de rua representa a minha infância, sempre corri na rua, é assim, querendo ou não, que se começa a praticar um esporte. [Nessas horas, a gente] começa a praticar esporte, se sente livre, se sente à vontade. Correndo na rua a gente retorna à idade de criança, é maravilhoso.” 

UM CUBANO ENTRE NÓS

CARLOS DIAS, O SUPER-HUMANO BRASILEIRO

GUSTAVO BORGES FALA AO JQC

AMYR KLINK, O ULISSES MODESTO

A ESPERANÇA SOBE ALTO COM FABIANA MURER

Tagged: , , , , , , , , , , , ,

/ 659 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.