Você gostaria de morrer correndo?

Paulo Vieira

Tag: , , , , , ,

DE QUE MANEIRA VOCÊ QUER MORRER? A pergunta, infelizmente, é menos retórica do que gostaríamos – afinal, morremos.

Costuma-se responder à questão citando atividades prazerosas: dormindo, copulando, exagerando no xinxim de galinha e na cocada de forno, assistindo a uma goleada sobre o Palmeiras em pleno estádio.

Mas pouca gente diz “correndo”.

É que bater as botas durante uma corrida, algo que acontece aqui e ali – como a morte na Night Run ano passado, em São Paulo –, significa morrer com sofrimento, em geral asfixiado por uma falha do coração.

BRADICARDIA, TE AMO

CORRER MUITO MATA?

DEVEMOS FALAR SOBRE A MORTE NA CORRIDA?

O CARDIOLOGISTA NABIL GHORAYEB CONVERSA COM O JQC SOBRE O CORAÇÃO 

É irônico saber que um dos responsáveis pela popularização da corrida nos Estados Unidos e, portanto, no mundo, o novaiorquino James Fixx, tenha partido dessa para melhor quando corria solitariamente num rincão rural do estado de Vermont.

Ele tinha 52 anos quando sofreu um violento ataque cardíaco. Foi encontrado sem camisa, apenas de short, sua indumentária oficial de treino.

Fixx escreveu dois livros sobre corrida, o primeiro o best seller blockbuster Guia Completo da Corrida, um manual apologético sobre o esporte, em que faltavam considerações científicas abalizadas mas abundava romantismo. Para você ter uma ideia, ele ensinava como fazer um shorts de treino a partir de uma calça jeans .

Fixx sabia dos riscos que corria. Seu pai morrera ainda mais jovem, quando tinha apenas 35 anos, também vitimado pelo coração. Na verdade, a corrida ajudou Fixx a ganhar muito melhor condição física.

Antes do cascalho, o escritor fumava duas carteiras de cigarro por dia e tinha 30kg a mais.

E você, gostaria de morrer como ele?

 

/ 850 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 6, com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Um Comentários

  1. Antonio Bellas

    Nao, para nao dar municao para os sedentarios que dizem que corrida mata.
    Melhor tomando cerveja

    Responder

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.