Força, foco e fé. Você precisa disso para correr?

Paulo Vieira

QUANDO A GENTE GANHA NOSSO primeiro filho, e quando isso acontece entende perfeitamente o porquê do verbo “ganhar” ser empregado aí, aprende de quebra uns jargões da maternidade.

Um desses jargões é poderoso, nível segredo do universo. É a história dos três “F”. Se o bebê chorar, das três uma: ou é fome, frio ou fralda. Se não for isso, melhor colocar as barbas de molho e voltar correndo para o hospital.

Na corrida, coincidentemente, usam-se também os três “F”. Mas aqui é força, foco e fé. Quem se prepara para uma prova que julga importante costuma dizer que esses são os ingredientes necessários para se dar bem.

É curioso que ninguém coloque uma outra letra aí, um “p”, de prazer, ou, para forçar a barra, mais um “f”, de “fun”.

CORRIDA É PRAZER

CORRIDA NÃO É GUERRA

O PRIMADO DO PRAZER

O FETICHE DA MARATONA

FÔLEGO, O ARAUTO DA CORRIDA

SERGIO PATRICK E SUAS CORRIDAS POR NOVA YORK

QUER CORRER, ENTÃO COMECE A GOSTAR DE CORRER

MARIO SERGIO SILVA: MAIS RUN OU MAIS FUN?

AS ESTAÇÕES DA CPTM E A ESTRATÉGIA MADADAYO

Porque você não vai a lugar algum apenas com força, foco e fé.

Força e fé até dá para entender, ainda que sejam conceitos redundantes, dois efes que valem por um. Afinal, força entra aí como um augúrio, uma sugestão de que é preciso não esmorecer, ir até o fim. Ou seja, fé.

Já foco é um desses conceitos coringa que nada dizem. Numa entrevista para o programa radiofônico Fôlego, pilotado pelos parças Ricardo Capriotti e Sergio Patrick, do sistema Band de rádio, o publicitário Nizan Guanaes falou de sua estreia na meia maratona, em Amsterdã, uma cara atrás.

Disse que foi bom não haver “bandinhas” de música pelo trajeto: ele precisava ter “foco” na corrida.

(Ele pode ter dito, por outra, não me lembro bem, que foi bom haver bandinhas na corrida: obrigavam-no a ter ainda mais foco na prova).

Ora, correr é natural, e a partir de um dado momento da corrida esse tal foco vem naturalmente, é inútil tentar “focar”. Experimente ouvir música por 45 minutos, 1 hora, 2 horas ou mesmo elaborar algumas ideias. É quase impossível.

A corrida é uma experiência próxima da meditação, tem o condão de limpar naturalmente sua cabeça.

Você passa a maior parte do tempo a pensar em nada.

Ouvir Strokes ou o boletim do trânsito da CBN, como um cidadão fazia ao correr outro dia no parque Villa-Lobos, podem, de fato, ajudar psicologicamente o corredor. Placebo puro.

O busílis é que ninguém precisa de foco – ele já vem de graça com a repetição mecânica do exercício. O que o corredor precisa é gostar de correr.

Você pode até completar a prova para a qual aplicou diligentemente a hipótese dos três “F”. Mas e o ânimo para o que virá depois?

Disse na primeira dentição deste pasquim, não custa dizê-lo de novo: quer correr? Então comece pelo começo, gostando de correr.

 

 

Tagged: , , , , , , , , , , ,

/ 631 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.