“A cidade está obesa”, diz Paulo Saldiva

Paulo Vieira

PAULO SALDIVA, médico patologista da USP, codinome Pepino, é um grande cara. Há muito tempo circula de bicicleta por São Paulo, e esse ato aparentemente banal com ele se torna um exemplo eloquente do custo nocivo que o transporte individual joga nas costas da cidade e de seus habitantes.

Saldiva é um dos homens que mais entende de poluição atmosférica no Brasil, por isso chamado constantemente a falar sobre o tema na mídia. Mas o que ele tem a dizer a jornais, rádio e TV ele fala também sem palavras, apenas pedalando.

O que Saldiva diz é que não há antídoto à poluição. O que dá para fazer é parar de produzi-la, tirando os carros da rua. Os carros colaboram com 90% das emissões dos poluentes. Como na velha propaganda da Persico Pizzamiglio, você não vê, mas nós estamos aí.

Acontece que muito pouco foi feito para tirar carros da rua nos últimos 20, 30, 40, 50 anos. Pelo contrário.

Saldiva concedeu uma muito interessante entrevista ao pessoal da revista Pesquisa Fapesp, que eu catei sem mais aquela e colei aqui.

UM EM CADA TRÊS CICLISTAS DE SÃO PAULO É NOVATO NO PEDAL

NEM BRÓCOLIS NEM BANANA

UM DETECTOR DE POLUIÇÃO PORTÁTIL

ATIVIDADE FÍSICA PARA CIDADES POLUÍDAS

METRÔ, TRAGÉDIA BRASILEIRA

CIGARRO RULES: MAD MAN ERA FICHINHA

Mas antes de embebedá-la neste post, alguns destaques da fala do médico:

– Poluição não se resolve com remédio nem com campanha, mas com planejamento urbano, com mobilidade.

– Moradores vizinhos a parques têm chances 30% menores de sofrer infarto do miocárdio. É um remédio mais eficaz que estatina.

– A cidade está obesa, pois cresceu mais do que podia e tem “trombos de congestionamento na circulação”.

– A permanência no trânsito é um fator que potencializa os malefícios da poluição. Quem fica cinco horas no trânsito diariamente tem o risco de cardiopatia aumentado em seis vezes.

 

 

 

Tagged: , , , , , , , , , , , ,

/ 633 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.