Receita de treino intervalado

Paulo Vieira

ISSO JÁ DEVE TER SIDO MAIS COMUM, dado que já foi mais comum neste país publicar revistas, edições especiais, edições “one shot” (que não tem continuidade).

Já foi mais comum, eu dizia, publicar seções de respostas a cartas – eram cartas mesmo, pois o e-mail ainda estava por chegar ao Brasil – sobre um tema determinado, que a redação achava por bem explorar naquela edição. Um exemplo completamente aleatório: como fazer um ensaio de nu com a sua namorada.

Fontes muito conhecidas eram mobilizadas, técnicas eram explicadas, a boa didática era empenhada. Só havia um pequeno problema: não havia missivistas. Cabia então ao repórter usar seus parcos recursos de ficcionista para dar à luz o Agenor Silva, de Valinhos, a Denise Crispiniano, de Belo Horizonte, o Itamar Ferreira, de Campo Grande.

De suas perguntas, digamos, retóricas, surgia então aquela bela página, a bonita dupla, normalmente no começo da edição.

PROTAGONISTA DA PRÓPRIA HISTÓRIA

SAI O LEITOR, ENTRA O CLIENTE (QUER DIZER, NÃO ENTRA DIREITO)

NÓS QUE AMÁVAMOS TANTO O JORNALISMO

O TREINO MEMORIALISTA DO CORREDOR ZEN

UM TREINO FUNCIONAL PARA COMEÇAR A SEMANA

***************************

TUDO ISSO É MÚSICA INCIDENTAL para um agradecimento comovido que faço à Runner’s World americana por manter uma seção desse mesmo tipo, a Ask Coach, ou, em português, “Pergunte ao coach”. Claro que o/a coach em questão responde a pessoas de carne e osso, que as coisas lá nos Estados Unidos são pão, pão, queijo, queijo, como sempre diz um coach minuano que eu conheço.

É nesse link aqui que a treinadora Jenny Hadfield ensina ao leitor David, que tem disponibilidade para correr três dias por semana e quer melhorar seus tempos, um treino completo para maratona.

Das várias possibilidades de treino oferecidas no texto, eu, o arauto da corrida desencanada, gostei logo de um HIIT, o intervalado de alta intensidade, que, como explica Jenny, “é o treino mais duro, mas traz os mais importantes incrementos em velocidade, queima de calorias e melhora de condicionamento físico geral”.

Sorriso assim só na hora que acaba/Foto: Amanda Mills/Creative Commons
Sorriso assim só na hora que acaba/Foto: Amanda Mills/Creative Commons

Eis a bula do 1-2-3 Intervalado, da maratonista e professora Jenny Hadfield, publicada na Runner’s World americana.

– Ande 3 minutos para aquecer e corra leve por 10 minutos. (Faça isso duas ou três vezes).
Agora vem a parte do leão.

1′ + 1′

– Corra forte um minuto (cerca de 85% a 90% da frequência cardíaca máxima; você pode medir pela sensação de esforço, caso não tenha frequencímetro); recupere por um minuto trotando;

2’+ 2′

– Corra forte dois minutos; recupere andando por um minuto e depois trotando por mais um minuto;

3’+ 3′
– Corra forte por três minutos; recupere andando por um minuto e trotando os dois minutos seguintes.

Ela não finalizou com isso, mas convém fazer ainda uns dez minutinhos de trote pra fechar ou, para usar a expressão dos treinadores brazucas, “soltar”.

 

Tagged: , , , , ,

/ 727 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

2 Comentários

  1. Aman

    Olá!
    Gostaria de saber qual a frequência desse treino. Sigo uma planilha de corrida de treinamento intervalado e fiquei com vontade de incluir esse HIIT.
    Obrigada.
    Aman

    Reply

    • Paulo Vieira

      Olá, Aman, obrigado por escrever. No link da revista gringa que está no post, eles sugerem o HIIT uma vez por semana. Confere lá. Abs.

      Reply

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.