Kangoo Jumps, o veredicto

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , , , ,

Embora seja comercializado na Europa há pelo menos dez anos, é difícil encontrar algo sobre o Kangoo Jumps nas revistas especializadas em corrida. As versões americana, inglesa, espanhola e sul-africana da mais famosa delas, a Runner’s World, ignoram olimpicamente o produto.

Achei uma resenha deslumbrada na Fitness americana, que endossa a principal informação veiculada pelo fabricante: a de que o Kangoo absorve até 80% do impacto da pisada, tornando-o um verdadeiro antídoto contra as lesões das articulações, costumeiras entre corredores.

Mas a resenhista vai além e aduz que o produto tem o condão de queimar até  25% a 50% a mais de calorias do que uma corrida feita com tênis apropriados. A justificativa: “Você luta contra a gravidade e usa a região do core (abdome) para estabilizar o corpo após a pisada”.

Aqui no Brasil seus benefícios são pouco conhecidos. Treinadores de corrida procurados pelo JQC afirmaram não ter conhecimento sobre o produto para se pronunciar.

Eu testei o Kangoo, cuja bota lembra uma de patim, em situações distintas. Numa aula de hopping na Companhia Athletica, academia pioneira de São Paulo, e correndo 12K pelas ruas do Alto de Pinheiros e pelo parque Villa-Lobos.

A aula, comandada pelo alto-astral Edu, lembrava aquelas primeiras sessões de aeróbica dos enlatados americanos que os programas de TV femininos do Brasil exibiam. Tirante eu e professor não havia outros homens na classe. Talvez achemos difícil executar as coreografias – a aula tem um que de cardioaxé, de afroaeróbica, digamos, mas os 45 minutos passam rápido que é uma beleza.

Segundo o Edu, a queima é de 350 a 350 calorias, não mais do que isso.

E, segundo eu, você tem ganhos como dançarino e ainda consegue distensionar o superego.

Para correr, a bota incomoda um pouco. Pesada, te obriga a segurar o ritmo. Admito que eu joguei um pouco na defensiva, evitando dar passadas mais longas. É também exigente com a panturrilha, pois a plataforma requer uma posição de equilíbrio, especialmente quando se está em baixa velocidade. Após uma hora de corrida, a bota começou a ferir a pele da parte lateral interna dos dois pés – e eu estava de meia. Nada, contudo, que um band-aid preventivo não resolva.

Com tudo isso, devo dizer que adorei andar com o Kangoo. Com ele devo ganhar uns 12 a 15 centímetros, batendo próximo dos 2m. Se tivesse pensado nisso, não teria usado cadeiras para escalar a geladeira e acabar com o ninho que as formigas de casa fizeram nos circuitos eletrônicas no topo da imponente Electrolux.

O veredicto: se o Kangoo que eu testei custasse metade dos R$ 1 200 pedidos pela Netshoes, eu bem que ficava com um par para variar um pouco minha série semanal de exercícios. E não seria para proteger minhas articulações, que nunca sofreram com tênis, especialmente com os minimalistas que uso rotineiramente. É que a aula do Edu, para usar uma velha expressão do Angeli, é esteticamente do cacete.

 

/ 791 Posts

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).