Dicas para correr na esteira

Julia Zanolli

Existe um preconceito contra a esteira. Mais precisamente contra o corredor de esteira. É como se ele fosse um atleta de segunda linha.

“Eu só corro na academia”, diz humildemente o corredor indoor. Por que “só”? Você é tão bom quanto qualquer  um que treina na rua, na areia ou na montanha, colega!

Pelo fim da discriminação contra essa grande invenção, conversamos com o treinador Daniel Santiago, coordenador da Academia Activa Pinheiros e pós graduado em pilates e cinesiologia,. Ele dá dicas para quem quer aproveitar ao máximo a esteira e dizer de cabeça erguida: “Eu corro!”

running-cartoonJornalistas que Correm: Quais são as diferenças entre treinar na rua e na esteira?
Daniel Santiago: Na rua o centro de gravidade do corpo é diferente e fica inclinado à frente. As pernas fazem a propulsão para nos levar adiante, enquanto que na esteira é a lona que se move. Assim, a pisada é mais curta e com maior cadência. Correr na rua ativa mais a musculatura posterior da coxa, já que é preciso empurrar o chão para baixo e para trás durante a pisada, enquanto na esteira basta levantar o pé.

JQC: É mais fácil correr na esteira?
DS: Sim.  A resistência do vento em ambientes abertos implica esforço até 10%  maior que na esteira, fora a irregularidade do piso as variações do clima. O  consumo de oxigênio é em média 10% menor indoor.

JQC: Como driblar isso e queimar ainda mais calorias na esteira?
DS: Aumentando a velocidade ou inclinação. Um bom treino intervalado pode ser tão intenso quanto uma corrida contínua na rua. 

JQC: Quem quer perder peso e acelerar o metabolismo deve começar com a musculação ou com o aeróbico? Ou intercalar os dois?
DS: Eu recomendo intercalar os dois, essa sem dúvida é a melhor opção para queima de calorias: aumento do metabolismo basal [a quantidade de energia que seu corpo precisa para se manter diariamente]  e fortalecimento para correr cada dia mais e sem riscos.

JQC: Dá para se preparar para uma corrida de rua treinando só na esteira?
DS: É interessante treinar no mesmo ambiente da prova, mas é possível. Na esteira dá para controlar melhor as variáveis de treino como tempo, frequência cardíaca e inclinação. Além disso, é simples montar treinos intensos como um fartlek ou intervalado longo/curto. Mas se o objetivo for uma prova importante, vale alternar rua e esteira.
[Se você corre na academia durante a semana, tente fazer um treino na rua durante o fim de semana]

JQC: Qual é sua orientação para quem quer começar a correr na esteira?
DS: Procurar um bom profissional de educação física para que ele elabore um treino de acordo com a capacidade do aluno, para que ele atinja seu objetivo sem riscos. Um treino intervalado, com 2 minutos de caminhada e 2 de corrida, por exemplo, é ideal para o iniciante, mas isso pode variar de pessoa para pessoa.

Tagged: , , , , ,

/ 219 Artigos

Julia Zanolli

Julia Zanolli começou a correr em nome do bom jornalismo quando foi trabalhar na revista Runner’s World sem entender nada do assunto. A obrigação virou curtição, mesmo depois de sair da revista. Se livrou do carro para poder andar a pé pela cidade, mas é fã assumida de esteira. Prefere falar de comida do que de nutrição e acha que ter tempo é muito melhor do que matá-lo.

2 Comentários

  1. Eduardo Gomes

    Sou corredor há dois anos e treino na rua na grande maioria das vezes. Não vejo problemas em recorrer à esteira quando necessário, porém percebo, empiricamente, duas dificuldades: em ambientes indoor, se não houver ventilação adequada, aumenta-se a frequência cardíaca com o calor; para treinos de longas distâncias, o fator psicológico é a maior barreira: acima de 6km, os números parecem avançar em slow motion.

    Mesmo assim, acredito que a esteira pode ser uma ótima aliada, em especial em treinos de intensidade – tiros e fartlek, que ajudam a quebrar a monotonia.

    Reply

  2. Raquel

    Adorei a reportagem e confesso: sou melhor na esteira. Um abraço

    Reply

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.