Um dia peripatético

Paulo Vieira
Mandrey, da Dieta da Rede Social, e Paulo Vieira, do Jornalistas que Correm, em São Paulo
Na cobertura do MAC, se sentindo em Atenas

Marquei com ele às 9 da manhã, na Aranha. A aranha de Louise Bourgeois, do MAM, no Parque do Ibirapuera. Vindo de bicicleta do meu treino no Parque Villa-Lobos – hoje um incômodo teste de limiar, corrida de 10K para ser feita em pace insano, uns 4’30” por quilômetro, mas interrompida no 7K porque o cronômetro do celular felizmente desligou (ontem havia derrubado umas raicillas) -, cheguei 20’ atrasado.

Mas ele também atrasou, e quando comecei a procurá-lo pelo parque, logo o encontrei.

Marcus Andrey, o Mandrey, de que falei duas vezes aqui, o fundador da Dieta da Rede Social, 40 quilos perdidos basicamente à base de caminhadas, veio a São Paulo, e voluntariei-me para andar com ele no Ibirapuera.

Seu pace de caminhada é rápido, mas vai diminuindo à medida que os minutos passam e a conversa avança. Ficamos 1:30’ ou 1:40’ falando de Recife e São Paulo, famílias, empregos, futuro. De minha parte, tentei ser um esforçado guia, mostrei o planetário, as tipuanas, os Niemeyer, sugeri que ele levasse os três filhos, a mulher e o sogro, que estão também em São Paulo, ao Museu do Futebol.

Depois de darmos duas voltas completas no parque, pegamos a passarela e fomos ao belíssimo MAC, no antigo prédio do Detran, mais um Niemeyer do complexo, este com sete andares, um mezanino e um prédio anexo totalmente dedicados agora à arte (não só) contemporânea. O Guggenheim de Nova York, creia, ficou no chinelo.

Pegamos o elevador naquele antigo símbolo canhestro da corrupção e dos péssimos costumes e fomos direto para o 8º andar, onde fica a enorme cobertura, ainda sem destino, do museu. Mandrey se espantou com o cenário que descortinávamos, o tamanho do Parque e a distância do Pico do Jaraguá, que avistamos dali.

Não houve em nenhum momento silêncios e inibições, e imagino que essa seja a tônica deste seu ano e mês de caminhadas. O que é curioso, uma vez que Mandrey costuma andar com pessoas que ele vê pela primeira vez na vida, como era o meu caso.

Mas o que quero dizer é que me surpreendi com esse hábito ordinaríssimo que é andar e conversar. É uma delícia passar uma ou duas horas fazendo isso. Suponho que seja mais terapêutico que correr, pelo menos se a corrida tiver a velocidade estúpida do meu treino de hoje no Villa-Lobos.

Imagino que os peripatéticos, os alunos do Liceu, a escola fundada por Aristóteles numa Atenas que já havia sucumbido a Filipe e depois a seu filho Alexandre, o Grande, gostavam das aulas que assistiam. Aristóteles não passou à posteridade por acaso, mas, mais do que o conteúdo, a forma de suas aulas era de causar inveja. O mestre passeava com a turma, caminhava com seus discípulos pelos arredores da escola enquanto discorria.

Se eu escrevesse uma “Ética a Nicômaco” pop, tentaria lê-lo à minha filha Vitória no Ibirapuera.

Talvez ela peça para levar o iPad.

Tagged: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

/ 712 Artigos

Paulo Vieira

Paulo Vieira corre pelas ruas de São Paulo desde os 15 anos e pelo mundo desde os 32, quando passou uma temporada em Londres. Adora correr em estradas rurais, descobrir novos caminhos e ir e voltar do Pico do Jaraguá. Mas agora anda frequentando também treinos no Parque Villa-Lobos às 7 da manhã com seu tênis minimalista - desde que a Lusa não jogue na véspera.

1 Comentário

  1. Marcus Andrey

    Paulo, valeu muito pela companhia e pelas dicas culturais. É claro que aliviei pra você (no ritmo da caminhada) depois que soube do seu treino mais cedo. Kkkkkk. Abração, meu amigo!!!

    Reply

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.