Em Roma, faça como os etíopes

Paulo Vieira

Tag: , , , , , , , , , , , , , , ,

    Eu já tive meus dias de editor de caderno cultural, dei uns tiros no mundo pop e pseudo-erudito, mas agora tenho preferido dar mais trabalho aos pés do que à cabeça. Mas a cabeça do nosso colaborador José Edward Janczukowicz não para. Ele, nosso consultor de assuntos netflixianos e correlatos, ocupará este espaço com suas dicas de cinema e corrida.
    Ou, como naquele livro famoso, coisa que o valha.
    Na estreia, ele fala de The Athlete (Atletu), docudrama que prova que muito antes do Barefoot Joe já tinha nego mandando ver descalço nas maratonas por aí.
     
    The Athlete

    Produção etíope que concorreu a uma indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro.
    É  baseada na história de Abebe Bikila – filho de um pastor de ovelhas do interior da Etiópia e capitão da Guarda Real do Imperador Hailé Selassié. Foi o primeiro homem a vencer duas maratonas olímpicas. A de Roma, correndo descalço. A Adidas – sim, a hoje toda poderosa Adidas -, patrocinadora oficial dos Jogos Olímpicos de 1960, tinha apenas poucos pares disponíveis. Quando Bikila foi experimentar um deles para usar na corrida,  nenhum o deixava confortável. Ele resolveu correr descalço, a mesma maneira como sempre tinha treinado.
    O filme, mescla de documentário e dramatização, mostra a vontade férrea e inabalável do homem que conseguiu voltar às competições mesmo depois de um acidente que o levou a uma cadeira de rodas – e então passou a jogar basquete. 

    A história de Abebe Bikila, primeiro bicampeão olímpico da maratona. Em 1960, em Roma, correu descalço
    Em Roma, faça como os etíopes

    The Athlete (Atletu) tem direção de Rasselas Lakew. Etiópia, 2009. Com Rasselas Lakew, Dag Malmberg e Ruta Gedmintas. 92′
     

     
      
     
     

     

/ 828 Posts

Paulo Vieira

Influenciado pelo velho “Guia completo da corrida”, do finado James Fixx, Paulo Vieira fez da calça jeans bermuda e começou a correr pela avenida Sumaré, em São Paulo, na adolescência, nos anos 1980. Mais tarde, após longo interregno, voltou com os quatro pés nos anos 2000, e agora coleciona maratonas – 6, com viés de alta – e distâncias menos auspiciosas. Prefere o cascalho de cada dia às provas de domingo e faz da corrida plataforma para voos metafísicos, muitos dos quais você encontra nestas páginas. Evoé.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado ou compartilhado e os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.